BD Resenha: Distrito 9 (Brasil)

42
521

[ad#lost-banner]

Apresentação:

Como não vi Distrito 9 nos cinemas, fui ver em Blu-ray sem grandes expectativas. Tinha visto o trailer , uns comentários de amigos “ah, é sua cara”, mas não tinha certeza que alienígenas na África me conquistariam. Pra mim, tem certos elementos que fazem um filme nota 10, que compensam até uma história ruim, final ruim ou qualquer outra falha, que são os elementos “sangue, artilharia e seres estranhos”. Esse filme tem os 3 e muito! O filme demorou pra pegar minha atenção, o começo é meio devagar, cheio de entrevistas que nos mostram um pouco do porque tem milhares de alienígenas vivendo em favelas no meio de Joanesburgo. Depois que o filme esquenta, não pára mais e me pegou pra valer, você acaba simpatizando com os personagens e com a história.

Sobre a imagem:

Um dos poucos filmes gravados com a super câmera “Red One” de super 35mm com resolução de 4k a 30 frames por segundo, e que grava até 120 frames por segundo em 2K. É a mais nova sensação do mundo do vídeo e filmes em alta definição. É realmente um marco no mundo técnico do cinema. Estive na gravação do DVD do Gilberto Gil “Bandadois” em São Paulo, e foram usadas câmeras Red One, pude ver de perto as máquinas, e o resultado cru nos monitores de video assist (que também são da marca Red, que aliás, faz tudo, desde a câmera em si até lentes, baterias, monitores, cabos, etc ). É impressionante, tudo é de uma qualidade de construção e atenção aos detalhes que fazem valer cada centavo dos milhares de dólares que custam cada câmera, lente e etc. É como estar olhando para um carro esportivo, pra quem gosta. O uso das Red One resulta numa qualidade absurda de imagem, com cores, profundidade e definição das melhores que eu já vi em Blu-ray. É de dar dor de cabeça para as milionárias e raríssimas (acho que só restam 4 no mundo) câmeras IMAX de 75mm usadas no filme “Dark Knight”, mas não se enganem, a melhor imagem que existe por enquanto em Blu-ray hoje são as sequências IMAX 1,85:1 do filme do homem-morcego. Juntamente com o CGI (Computação Gráfica) estado da arte dos alienígenas e efeitos especiais, o filme é visualmente deslumbrante, e pouco depois que começa a esquentar com tiroteios, sangue e muitas explosões, quem tem um equipamento de Home Theater bacana, vai se deliciar, mesmo que não seja um gênero ou uma história popular e pra todos os gostos. O filme tem um Bit rate constante e alto entre 28 e 32 Mbps, e o formato de 1,85:1 é espetacular, já que preenche toda a tela widescreen.

Bit rate do Blu-ray americano. O nosso não deve ser tão diferente.

Outro detalhe do uso de câmeras digitais sem película é a significativa redução de granulação da imagem, que é comum em película, e na minha opinião dá uma cara de má qualidade as cenas, salvo quando propositais como Michael Mann usou em Miami Vice, todo gravado em Digital. Estaremos vendo cada dia mais diretores saindo da película e entrando no mundo digital para fazer filmes, mas também, com máquinas assim, quem os culpa? Alguém aí ainda tem máquina fotográfica de filme?

Clique nas capturas e veja você mesmo:

Mais imagens lá no DVD Beaver!

Sobre o áudio:

Temos entre as opções de trilhas, o inglês e português 5.1 DTS HD, e legendas também. Obviamente temos outros idiomas como Russo Ucraniano, mas não vem ao caso. A trilha que escolhi, obviamente é a Inglês DTS HD é espetacular, o Bit rate entre 4 e 5 Mbps. Tiros, explosões e muito uso dos canais surround, com helicópteros, alarmes e todo tipo de som ambiente. O áudio está impecável juntamente com a imagem, o que faz você se prender ao filme, como disse antes, mesmo não indo com a cara dos alienígenas logo de princípio. Quando entra em cena as armas alienígenas e o “robozinho”, pra gente como eu que gosta do som de artilharia, é espetacular, grave e muito definido, enche a sala e assusta os vizinhos com certeza. O vocal também está muito bem definido, e você raramente nota a trilha sonora interferindo nas cenas espetaculares de ação, coisa que eu não gosto particularmente, de ter música abafando som de metralhadora! Cito como exemplo magnífico o filme “Onde os Fracos Não Tem Vez” que não usa música ou trilha sonora em nenhum momento do filme, achei magnífico. No Distrito 9 a música está no seu devido lugar, com algumas cenas com trilha de música africana, muito bacana.

Sobre os extras:

Nos extras temos comentários do diretor e do produtor Peter Jackson,imagens da cidade “Distrito 9”, mapas interativos, cenas excluídas, trailers, BD Live, enfim, tudo que tem direito. Tudo está em HD, algumas com menos qualidade, talvez de uma câmera como DV de 720p , mas tudo em HD. É extra que não acaba mais!t

Conclusão:

Um filme que não dei muito valor, até passar dos 30 minutos, tudo muda, você é puxado pra dentro da história, simpatiza com os personagens, e se tem um sistema de Home Theater, a experiência está completa. Distrito 9 em Blu-ray tem qualidade de imagem e áudio de encher os olhos e a sala, muito tiro, muito sangue (gosto pessoal) fizeram deste filme em Blu-ray uma compra certa.

O filme concorre a 4 Oscars ( Melhor Filme, Edição, Efeitos Visuais e Roteiro Adaptado) e com certeza vai dar trabalho pro Avatar no quesito Efeitos Visuais.

Recomendadíssimo, inclusive pra impressionar os amigos com seu Home Theater!

Blu-ray na Videolar:

Blu-ray no Submarino:

[ad#1-amzusatop]

[ad#sub550]