Dose Diária de Inveja: Porcupine Tree – Anesthetize Limited Edition (Grey Cover)

17
545

http://www.youtube.com/watch?v=9CJOhLqxUa0
Trailer do show

Porcupine Tree é uma daquelas bandas que só descobrimos quando alguém indica ou ouvimos em algum lugar e queremos saber o que era. Ela não toca em rádios nacionais, não faz shows por aqui (ainda) e não faz questão de aparecer na MTV. Descobri essa banda quando encomendei um DVD de demonstração da B&W, grande fabricante de caixas acústicas (mais sobre esta marca na matéria sobre caixas acústicas aqui no hardware do BJC)! Que estava distribuindo gratuitamente este DVD com musicas, documentários sobre as novas caixas da linha Nautilus 800, e no meio desse DVD tinha clipes e algumas músicas mixadas em Surround DTS, como demonstração, e dentre elas estava a música “Blackest Eyes” do álbum “In Absentia” do Porcupine Tree, só que remixada em 5.1, DTS 96 Khz 24 bits.

Quando dei play foi um tapa na orelha. Uma descoberta musical que marcaria o começo de uma nova era pra mim: a de fã da banda. São raras bandas que pagaria pra ir ver um show, ou que compro todo o material, e essa virou uma delas. Eles são pioneiros em lançar os álbuns em formato DVD-Audio Surround, e tem dezenas de prêmios nessa categoria, incluindo Grammy’s “Best Surround Sound Album” em três discos. Tenho todos, e são inacreditáveis.

Eles fazem um rock extremamente polido, bem tocado e inovador. Cada um dos músicos é mestre na sua arte, e eles formam um grupo, que faz um tipo raro, aquele em que juntam música boa, bom gosto, bons músicos, boa produção, boa gravação e excelentes resultados. Não há falhas em nada que eles fazem e em nenhuma etapa da produção de um disco ou lançamento.

O vocalista e líder da banda, Steven Wilson, é um grande conhecedor de áudio, inclusive escreve como colunista na revista Sound & Vision, líder americana no segmento de áudio e vídeo doméstico, com equipamentos e salas de Home Theater. Todos os discos dessa banda são absurdamente bem gravados.

Vou aqui fazer uma resenha do último e mais badalado lançamento deles, o “Anesthetize“, que foi lançado (alguns ainda em pré-venda) em quatro formatos, sendo eles:

  • DVD do show
  • Combo Blu-ray/ DVD do show
  • Edição Limitada vermelha (mil unidades)
  • Edição Limitada cinza (quatro mil unidades)

A resenha será da versão cinza, que consegui comprar uma das ultimas unidades no site oficial da banda na pré-venda há algumas semanas.

Todas as versões estão esgotadas. Quem tem, tem. Quem não tem, deve torcer para aparecer alguma no eBay (mas preparem o bolso, já tem algumas por lá com preços de lance por volta de 380, 400 dólares e isso vai subir a cada dia e desaparecer rapidamente).

Hoje soube que a pré venda do combo e do DVD simples estão esgotadas na Amazon, e agora só quando renovarem o estoque. A banda é boa de verdade e a prova disso é que esgotar pré-venda da Amazon com quase um mês antes do lançamento não é pra qualquer um.

Se você gosta de rock, de influências como Pink Floyd e Genesis, experimente. É garantia de música de qualidade.

A edição cinza

As edições cinza e vermelha são idênticas, apenas de outra cor, todo o conteúdo é igual, foi só uma forma de fazer um produto ainda mais raro. O livro Anesthetize contém dois CDs com a gravação do show na íntegra, um DVD e um Blu-ray com extras, além de 120 páginas de fotos e arte desenvolvida pela banda e pelo aclamado diretor do projeto, Lasse Hoile.

A capa é de tecido, com as letras metálicas no “Anesthetize” na frente e “Porcupine Tree” atrás e a descrição na lateral.

É uma jóia. O livro com páginas foscas e fotos brilhantes, todo fundo preto é de altíssima qualidade e de bom gosto. Pra fãs da banda inglesa é um registro histórico dos bastidores e do mundo ao vivo da banda.

A impressão dos discos também salta aos olhos, como podem ver abaixo:

Capa da edição cinza



Contra capa


Vista lateral


Os CDs do show


Blu-ray/ DVD

Imagens do livro


Áudio de um lado, vídeo de outro e o livro no meio!

Vídeo:

O diretor do show e do projeto Lasse Hoile, usa pouca luz, e trabalha com um visual dark, o palco simples, com a banda, instrumentos e apenas três telas de projeção normais, que completam o visual com imagens psicodélicas e outras assustadoras.

A imagem é extremamente bem definida, filmada em 2008 em Tilburg (Países Baixos) em 1080i, com várias câmeras HD. O visual é sempre esse, com muito azul e cinza.

Eu particularmente gosto de shows em que o visual é a banda e equipamentos, amplificadores, microfones, bateria e nada de grandes cenários, dançarinos e backing vocals, e esse show é isso: músicos, seus instrumentos e muito som de qualidade.

Podemos ver a bateria Sonor (uma das minhas favoritas) do Gavin Harrison, com definição, ele come o instrumento com farinha. As projeções de fundo interagem muito bem com as músicas e o clima.

O show é apresentado em formato Widescreen 1,78:1, com bit rate médio de 22 Mbps.


Imagem do show

Áudio:

A glória da banda, seu trunfo, toda vez, todo show, todo disco. A qualidade de captação do som é das melhores do mundo. Eu esperava muito desse primeiro Blu-ray da banda.

Tenho o primeiro show ao vivo deles, o Arriving Somewhere, que é com certeza um dos cinco melhores áudios em show em DVD que eu já vi. Não podia esperar nada menos que isso deste novo show. O áudio é absurdo, bíblico.

Existem as opções de DTS Master Audio 5.1 48Khz 24 Bits e PCM Estéreo 24 bits apenas no Blu-ray, e DTS e PCM estéreo no DVD. Não há Dolby em nenhum dos discos.O bit rate médio do áudio é de 6 Mbps.

Os equipamentos e instrumentos usados pela banda são top de linha e ajudam a fazer uma gravação impecável. Mas é quando comparamos com outros shows que vemos a diferença, o cuidado e o resultado que só o Porcupine Tree consegue. Só ouvindo pra acreditar.

Poderia escrever muitas palavras sobre qualidades de áudio desse show e da banda em geral, mas vou apenas dizer que é com certeza a melhor gravação ao vivo de áudio em Blu-ray que eu tenho. É o que chamamos de áudio de referência.

Não vou enganar ninguém, precisa de um sistema de som a altura para desfrutar do que eles produzem, os graves, bateria e dinâmica da banda, com as guitarras e algumas nuances da bateria nos surrounds, exigem muito do sistema.

Sabe aqueles jogos que valem a compra do video game? Esse é o show que vale a compra de um Home Theater na minha opinião.

Não é porque sou fã, é tecnicamente impecável. Quem gostar da banda, ou já conhece, não deixe de correr atrás desse show, em qualquer uma das edições.

Extras:

Nos extras do Blu-raytemos as músicas:

  • “Way Out of Here” (live film directed by Lasse Hoile)
  • “My Ashes” (live film directed by Lasse Hoile)
  • “Wedding Nails” (live film directed by Lasse Hoile)
  • “Strip the Soul” / “.3” (live film directed by Lasse Hoile)
  • “Nil Recurring” (live film directed by Lasse Hoile)

Set List, Show 130 minutos:

1. Intro
2. Fear of a Blank Planet
3. My Ashes
4. Anesthetize
5. Sentimental
6. Way Out of Here
7. Sleep Together
8. What Happens Now?
9. Normal
10. Dark Matter
11. Drown With Me
12. Cheating the Polygraph
13. Half-Light
14. Sever
15. Wedding Nails
16. Strip the Soul / Dot Three
17. Sleep of No Dreaming
18. Halo
19. Outro

[A edição dessa DDI é tão absurdamente exclusiva que nem faremos a brincadeira com a ausência dela no nosso país]

Edição regular do show na Amazon do Reino Unido:

Mais edições musicais recomendadas pelo BJC na Amazon: