Videolar e Microservice anunciam fusão

30
547

VideoserviceEis que este híbrido toma forma!

Já haviam boatos circulando desde o ano passado, mas desta vez é oficial: a Videolar e a Microservice, seguindo o exemplo de Sony e Fox, irão se unir em um esquema de joint-venture, formando a maior empresa do setor de replicação de mídias do país.

Leia também:

Conforme apurado pela Época Negócios, Videolar e Microservice fundirão suas operações sob o nome AMZ Mídias Industriais. A nova empresa terá (em estimativas não-oficiais) 70% do mercado nacional de replicação de mídias, sendo o restante dividido entre Sonopress Arvato, Sony DADC e outras replicadoras menores. A presidência da nova companhia ficará com o atual presidente da Microservice, Isaac Hemsi (não sabemos qual será o destino do nosso amigo do Blu-ray quadrado).

O objetivo desta fusão é liberar o caixa das empresas para novos investimentos. Com a perspectiva de declínio do mercado de mídias físicas em prol do conteúdo digital, a atuação em setores diferentes do mercado se mostra uma necessidade.

Em sua visita à Microservice no ano passado, o Jotacê verificou que, além da replicação e manufatura de mídias ópticas, a empresa atuava na fabricação outros produtos (motos, por exemplo). O mesmo ocorria na Videolar: a empresa também investia no fabrico de resinas plásticas multiúso.

Diversificando suas atividades, se assegura a sobrevivência das companhias diante de um cenário de incerteza. A fusão permite, ao se diminuir despesas em comum, aumentar o volume de investimento nesses novos campos de atuação, possibilitando à empresa uma chance maior de permanecer viável (do ponto de vista dos acionistas) nesses tempos de economia turbulenta. Era um movimento esperado, por assim dizer.

Para nós colecionadores, é provável que inicialmente pouca coisa mude. Ainda não temos informações mais concretas, mas imaginamos que os contratos da Warner, Paramount (Videolar),  Fox e Universal (Microservice) devem ser mantidos até futura renegociação.

O mesmo deve ocorrer com relação aos contratos com a AGI Amaray (no caso dos estojos de Blu-ray) e Scanavo (no caso dos estojos multidiscos); ambos eram exclusividade da Microservice, mas é provável que sejam incorporados ao catálogo de produtos da AMZ. Se isto significar o fim dos estojos Videolar HD Case (aquele com o logo Blu-ray sem relevo) e DVD multidiscos (vulgo Videonavo) e suas travas de disco horrendas, será algo a se comemorar (ou não, caso o leitor prefira estes estojos).

Futuramente, porém, é quase certo que os setores industriais também serão unificados sob a bandeira da AMZ. Qual será o impacto na qualidade das embalagens e impressão nos discos, só o tempo dirá; poderão puxar tanto ao pai (Videolar) quanto à mãe (Microservice). Nossa expectativa é que esta nova companhia exceda as expectativas do consumidor e seja “viciada em qualidade” de forma ferrenha.

Além disso, desejamos que o canal aberto anteriormente entre o BJC e a Microservice seja mantido nesta nova empresa e permita aproximarmos as duas pontas da cadeia produtiva do mercado de DVDs e Blu-rays. Aos nossos leitores, podemos assegurar que ficaremos de olho e prontos para criticar quaisquer deslizes cometidos (e para elogiar os sucessos, é claro).

Quaisquer novidades sobre este assunto em breve aqui no BJC!

[Via Época Negócios]

[ad#1-amzusahpu]