A Árvore da Vida chegará às lojas SEM EXTRAS!

45
747

Amado por uns, odiado por outros (inclusive por este que vos escreve), o filme “A Árvore da Vida(The Tree of Life) chegará às lojas em Blu-ray e DVD no dia 28/03, custando R$ 49,90 e R$ 29,90, respectivamente. O título está nas mãos da Imagem Filmes, eleita pelos leitores do BJC a pior distribuidora independente devido ao péssimo tratamento que dá aos seus títulos, principalmente pela mutilação e ausência de extras.

A edição americana de “A Árvore da Vida” foi lançada pela Fox, e contou com a trilha de áudio DTS-HD MA 7.1 e apenas um extra de 30 minutos (Por trás das cenas, intitulado Exploring the Tree of Life).

Em novembro passado, a edição nacional do filme chegou ao mercado de locação: sem extras, com trilha DTS-HD MA 5.1 em inglês (não é 7.1 como a edição americana, mas pelo menos nos livramos da faixa comprimida HR, que a Imagem Filmes adora utilizar) e sem faixa de áudio em português. Felizmente, o formato de tela original é 1.85:1, então o filme escapou da mutilação!

Os fãs do filme esperavam uma nova edição para o varejo, com o extra Exploring the Tree of Life, mas a Imagem Filmes confirmou ao BJC que a edição que chegará às lojas será a mesma lançada para locação!

capa_02

Capa da edição em Blu-ray

É difícil ainda ter esperanças em uma mudança de postura por parte desta empresa. Foram tantos posts, e-mails, protestos, e a situação continua a mesma. Os únicos títulos que escapam das mutilações de imagem e extras são os filmes de catálogo, como Pulp Fiction, por exemplo. Mas os lançamentos (que chegam primeiro ao mercado de locação) não tem a mesma sorte, chegam sempre com formato de tela 1.78/1.85, independente do formato original, e sem extras.

A justificativa para a falta de extras é de que “existe um custo adicional para este tipo de material”, então acaba sendo “inviável” adquiri-los. Em outras palavras, “vamos economizar e dane-se o produto”.

Já a desculpa para mutilação no formato de tela é que o público das locadoras “prefere” a proporção 1.78/1.85, pois preenche totalmente a tela de uma TV Widescreen. Para nós, colecionadores amantes do cinema como arte,  isso pode soar como um absurdo, mas grande parte do público das locadoras reclamam das “tarjas pretas” nos filmes (proporções como 2.35 ou 2.40).

Mais uma vez: não importa se fulano prefere proporção 1.78/1.85 ou se o formato foi aprovado pelo diretor, produtor, etc., a questão é que o produto NÃO respeita o formato original do filme! A obra não foi filmada desta forma, não foi exibida nos cinemas assim, por que a edição em home video precisa ser diferente?

As majors deixaram de adotar esta prática há muitos anos. Nos primórdios do DVD, muitas produtoras optavam pelo Fullscreen, mas hoje isso mudou. Algumas produtoras independentes ainda priorizam o mercado de locação, então preferem “agradar” as locadoras, mesmo que para isso precisem sacrificar a qualidade de seus produtos.

O catálogo da Imagem Filmes é de dar inveja em muitas majors, mas as atitudes de nanica impedem que qualquer comparação possa ser feita entre estas empresas. Triste.

img_01 Triste, Imagem Filmes, muito triste!

Única edição de A Árvore da Vida com opções em PT-BR no mundo:

capa_01

Edições dos Estados Unidos e França (esta última em Digipak e reg B) sem PT-BR:

(vídeo da edição francesa aqui)