O fim das compras convertidas em Real em sites do exterior

35
301

Em dezembro do ano passado, fizemos um post aqui no BJC falando a respeito do Amazon Currency Converter, uma ferramenta disponibilizada pela Amazon que permitia efetuar compras na loja americana pagando em moeda local. Só que a brincadeira durou pouco.

A partir do dia 13 de setembro, por recomendação da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), os três maiores bancos privados de varejo do país (Itaú, Bradesco e Santander) suspenderam a opção de pagamento em reais em sites do exterior. Os principais bancos estatais (Caixa e Banco do Brasil) ainda avaliam se tomarão a mesma atitude, mas a tendência é seguir o preconizado pela Abecs.

Esta atitude foi tomada porque alguns clientes reclamaram da cobrança de IOF nessas compras. Embora o IOF seja devido em quaisquer despesas feitas em cartão de crédito no exterior (independente da moeda utilizada), o cálculo do imposto (que é baseado na cotação do dólar) não é feito no momento do pedido, mas sim no momento do fechamento da fatura. O que ocorria: era utilizada uma cotação diferente da aplicada no momento do pedido.

Com a alta da moeda americana nos últimos meses, certamente a facada do imposto foi maior do que o consumidor imaginava. Fora os malandros que simplesmente se negavam a pagar o IOF só porque a compra foi feita em Reais (ê Gérson!).

A mudança não afeta apenas compras feitas na Amazon. Outros locais que ofereciam a possibilidade de se comprar em Real, como PayPal, PS Store, Google Play, Steam e Microsoft Store também foram afetados.

Para quem quiser escapar das oscilações da cotação do Dólar, a solução é comprar gift cards antecipadamente (leia-se: na baixa) para utilização posterior. Outra possibilidade é a utilização de cartões pré-pagos carregados em moeda estrangeira (como já explicamos em neste post).

Link para as pré-vendas na Saraiva: