RESENHA | Um Lobisomem Americano em Londres (Blu-ray BRA x UK)

A volta das resenhas técnicas no BJC!

0
660

Olá, amigos da comunidade colecionadores! Nesta estreia com as resenhas técnicas aqui no BJC, gostaríamos de chamar a atenção de vocês para o recém-lançado Blu-ray de Um Lobisomem Americano em Londres, pela empresa nacional Obras-Primas do Cinema. Antes disso, vamos voltar no tempo. Precisamente a 2009, quando do primeiro lançamento em BD do mesmo filme.


Lançado pela Universal em 15 de setembro 2009, foi utilizado, então, o codec VC-1, um dos primeiros codecs de compressão de dados para o Blu-ray. O master apresenta uma imagem bem castigada pelo tempo. Uma película “suja”, com bastante artefatos e que não teve muito cuidado por parte Universal na criação do master para o BD.

É bastante interessante que neste primeiro master da Universal, de um filme com grain acentuado (granulado) como esse, as empresas detentoras da película (rolo de filme original) normalmente aplicam o famoso filtro DNR (Digital Noise Reduction) para remover a granulação do master, dando assim um aspecto de filme novo. Este é um dos maiores erros cometidos por estas empresas, na remasterização de um filme para mídia física, pois remover os grãos dos sais de prata da película remove também a nitidez, contraste e detalhes do filme. O grão é da natureza da película, do rolo de filme, e não pode ser removido.

Vamos juntos agora para 27 de setembro de 2016. A Universal relança no mercado americano uma versão restaurada de Um Lobisomem Americano em Londres, agora já utilizando o novo codec MPEG-4 AVC. Nesta versão foi feita um novo master em 4K através da película original.

O curioso neste caso é que, se no primeiro lançamento em 2009 eles “aumentaram” o grão da película utilizando de um filtro artificial de nitidez, agora, para o lançamento restaurado eles removeram quase que por completo a granulação. Qual o motivo? Talvez seja porque foram duramente criticados no primeiro master pela turma que não gosta de ‘film grain’. Na nossa opinião eles erraram novamente.


Vamos pular agora para 29 de outubro de 2019.

-“Brothers, onde o lançamento da Obras-Primas entra nisso tudo?!”

Calma, pequeno lobo, já vamos chegar lá.

Voltando. Em 2019 fomos presenteados com o lançamento de Um Lobisomem Americano em Londres pela empresa inglesa Arrow Video. A Arrow, que de boba não tem nada, percebeu os erros da Universal no primeiro master e no segundo restaurado e não aumentou a nitidez artificialmente e nem removeu a granulação da película. Criando o seu master 4K totalmente do zero, através da película original, a Arrow conseguiu entregar uma imagem rica em detalhes, contraste e com um colorido sólido. Sem truques artificiais que mais prejudicam o master do que qualquer outra coisa.

“- E a nossa Obras-Primas? Qual master usou, Brothers? ”

Agora sim, pequeno lobo.

 


Estávamos em uma torcida muito grande, pelo Valmir e toda equipe da OP, pelo quão próximo o lançamento de Um Lobisomem Americano em Londres nacional poderia chegar frente ao excelente master da Arrow Video inglesa.

E, para nossa surpresa, as duas versões estão IDÊNTICAS em qualidade visual. A equipe da OP foi muito inteligente em perceber que não basta apenas comprar os direitos do melhor master do filme. Tem, também (com sabedoria), que realizar a autoração.

Já dizia o Tio Ben :-“Grandes poderes requerem grandes responsabilidades.”

Pontos acertados pela OP:

  • Blu-ray de 50GB (igual ao utilizado pela Arrow Vídeo, fonte do master).
  • Preservar o arquivo original.
  • Deixar os extras no DVD, não correndo o risco dos extras + filme ultrapassar a capacidade do disco e, assim, sendo obrigados a comprimir o master para caber dentro dos 50GB.

Lançamento com tudo que o colecionador tem direito. Luva, 2 posters, cards e livreto. Exatamente como na Arrow Video.

No Blu-ray da Arrow temos 26,84 GB de filme contendo:

  • 2 áudios em HD inglês. DTS 5.1 e DTS Mono Original
  • 2 áudios 5.1 em inglês

No Blu-ray da Obras-Primas são 26,100 GB aproximadamente contendo:

  • 2 áudios em HD Inglês. DTS 5.1 e DTS Mono Original
  • 2 áudios 5.1 Português. Dublagem clássica e dublagem nova

A diferença no arquivo de filme entra as duas versões é justamente pelo tamanho dos áudios dublados frente ao 5.1 inglês do master da Arrow.

-“Ah, Brothers, são 50GB. Porque não colocar os extras no Blu-ray em vez do DVD?”

Dessa forma seria necessário realizar um novo processo de autoração, correndo o risco de comprimir demais o arquivo, deixando quase nenhuma folga para o bitrate trabalhar.
O bitrate (ou taxa de bits) é, de forma bem resumida, o volume de dados que o vídeo consegue processar por segundo. Quanto mais elevado for a taxa de bits, maior a qualidade que cada frame que o vídeo irá apresentar.

No Lobisomem Americano em Londres da Arrow e da Obras-Primas, ambos conseguem chegar a um total de 36.84Mbps. Em efeito de comparação, um filme em 4K da Netflix não passa de 25Mbps.

Seria o Lobisomem da Obras-Primas em Blu-ray o início da tão sonhada e desejada qualidade que nós, colecionadores brazucas, desejamos?

Desde os anos 2000, com o inicio do DVD nacional, quanto em 2006 com o surgimento do Blu-ray para nós, sempre buscamos adquirir o melhor master lançado de filmes que gostamos, dos USA a Coreia do Sul. Com o lançamento de Um Lobisomem Americano em Londres da Obras-Primas, podemos afirmar que este foi o primeiro Blu-ray Made in Brasil no qual não conseguimos encontrar diferenças na qualidade de imagem e áudio em comparação com o material original, o excelente master feito pela Arrow.

Esperamos de verdade que, com este lançamento fabuloso, a sina do brasileiro de que “tudo nosso é pior que dos gringos”, fique no passado. E que O Lobo seja não só um exemplo a ser seguido nos futuros títulos das Obras-Primas, como também para todas nossas queridas empresas nacionais de mídia física, que tem feito de tudo para não deixar a chama do colecionador brasileiro apagar.

Grande abraço dos Brothers e até a próxima resenha!

  • VEJA TAMBÉM | O vídeo mais recente dos Brothers no YouTube:

  • Clique AQUI para garantir o seu Lobisomem na Colecione Clássicos!

Edições da Obras-Primas na Amazon:

CLIQUE AQUI