DOSSIÊ DO BJC | Guia de players de DVD e Blu-ray 2022

Incluindo um histórico dos aparelhos no Brasil

1
1766

Atualmente, os consoles são os principais players de DVD, Blu-ray e 4K no Brasil

A mídia física precisa de players

Os aparelhos reprodutores de mídia física, popularmente chamados de players, são necessários não somente para que se possa reproduzir o conteúdo da mídia física, mas também para que o consumidor mantenha o interesse na utilização de DVDs ou Blu-rays. 

Alguém que não possua um player terá pouco interesse em adquirir a mídia física já que não poderá reproduzir seu conteúdo. Este fato pode até não ser uma realidade quando falamos de nós colecionadores que muitas vezes adquirimos títulos sem ter o player, vide o caso dos 4K UHD, mas certamente é o padrão para a maior parte das pessoas.

RELEMBRE NO BJC | A loucura da promoção do player da TecToy em 2010

Muitos consumidores deixaram de usar a mídia física com o crescimento dos streamings e em determinado momento se desfizeram dos seus players. Este afastamento se acentuou na medida em que deixaram de ter acesso aos players, chegando a um ponto em que a maior parte dos consumidores desconhecem o fato de que a mídia física ainda é lançada no mercado. 

É certo dizer então que o crescimento do mercado de mídia física está diretamente associado à disponibilidade de players. Se não tivermos players, não haverá como expandir a base de consumidores interessados em DVDs ou Blu-rays.

Anúncio de Player Dedicado de DVD, TV e Home Theater de 2004

Podemos ver um renascimento do uso do vinil que por muito tempo esteve relegado ao público audiófilo que acredita na pureza e na qualidade do áudio dos antigos discos de vinil. 

Recentemente tivemos um crescimento significativo nos lançamentos de títulos em vinil, alguns deles até esgotados em pré-venda. Mas certamente ainda num mercado muito pequeno quando comparado às décadas de 70 e 80 em que dominavam as estantes dos consumidores. 

Nestes últimos anos estamos vendo o lançamento de tocadores de discos no padrão das antigas vitrolas que possuíam um alto falante embutido. Estes equipamentos estão disponíveis em sites online, mas também em várias lojas físicas como livrarias e grandes revendas como Magazine Luiza ou FastShop e esta visibilidade está alimentando a demanda pelo vinil.

Anúncio de Player Dedicado de Blu-ray de 2010

No auge do mercado da mídia física tínhamos grande disponibilidade de players de DVD e Blu-ray de múltiplos fabricantes e com modelos de diversas configurações e preços variados. Também eram comuns as ofertas de títulos junto com os players do tipo comprem um player e recebam 3 títulos grátis. 

Com a redução do interesse e consequentemente da demanda por players, os fabricantes foram retirando seus modelos do mercado até chegarmos ao ponto em que estamos hoje onde não há fabricação de nenhum player de Blu-ray no Brasil.

Por que não temos mais players dedicados?

A demanda por players foi drasticamente reduzida em todo o mundo a ponto de diversos fabricantes decidirem por não mais produzir players de DVD ou Blu-ray. 

No caso da Samsung a decisão veio em fevereiro de 2019 quando anunciou que não iria mais lançar novos modelos de players para o mercado americano e que também iria parar a produção dos modelos existentes. Seu último lançamento havia sido feito em 2017 e não havia atingido o nível de vendas esperado pois sua configuração era inferior à de outros players com preço similar.

Logicamente a demanda por players caiu mundialmente acompanhando a queda nas vendas de mídia física. Entre 2014 e 2018 nos EUA a queda na venda de Blu-rays e DVDs foi de 48%, caindo para US$13,1 bilhões ao ano. Já se projeta que em 2023 as vendas atingirão menos de US$2,5 bilhões, o que representa apenas 10% do que se vendeu em 2014.

Esta redução significativa nas vendas de mídia física foi ainda maior quando falamos dos players e não somente pela redução do interesse, mas principalmente pelo fato do equipamento ter uma vida útil acima de 5 anos, o que acabou por levar os fabricantes a esta decisão de interromper a produção dos players.

Em 2020 o mercado brasileiro se mobilizou pela volta da fabricação de players no Brasil

Aqui no Brasil o último fabricante a parar a produção foi a LG que o fez em meados de 2021. Seu player BP-450 e o Home Theater LHB655NW ainda estão disponíveis em várias lojas, mas não estão sendo mais fornecidos pela LG.

RELEMBRE NO BJC | Manifesto pela volta da fabricação de players de Blu-ray no Brasil #VoltaBDPlayerNoBR

É importante entender que para todo produto industrializado existe a necessidade de equilibrar a demanda com a escala de fabricação. Isto significa que um fabricante exige um volume mínimo de venda para que seja viável colocar um determinado modelo numa linha de produção.

O mercado também tem limitações em relação ao preço que aceita pagar por um produto. Portanto, não adianta oferecer um Blu-ray Player por R$2.000,00 que provavelmente a quantidade de consumidores interessados em pagar este preço será muito pequena para conseguir sustentar uma produção regular.

Ao mesmo tempo, o custo para produzir um produto está diretamente relacionado ao valor dos componentes que fazem parte daquele equipamento e que chamamos de “Bill of Material – BOM” ou a lista de materiais. Os componentes têm um preço que varia em função da escala de compra, ou seja, quanto maior o volume comprado menor o preço unitário a pagar. Os componentes eletrônicos, em particular, só atingem preços realmente competitivos quando produzidos em escala de milhões de peças. Sendo assim é necessário adquirir grandes volumes para que se tenha uma BOM competitiva. 

É comum termos uma diferença de 10 vezes entre o custo de um componente em baixa escala (por exemplo 1.000 peças) e o custo em grande escala (exemplo, 1 milhão de peças). E é isso que faz com que uma empresa indique que um produto não é viável para produção se não tiver determinado volume de vendas.

Já tivemos player de Blu-ray por 199 Reais no Brasil!

Os dois quadros abaixo reproduzem a distribuição estimada de custos de um player de Blu-ray para duas escalas diferentes: 100.000 unidades por ano e para 10.000 unidades por ano. No primeiro caso estamos falando de uma produção mensal de cerca de 8.500 equipamentos e no segundo exemplo seriam cerca de 850 equipamentos por mês.

Se analisarmos a demanda de equipamentos para o mercado brasileiro acreditamos que já seria muito difícil manter um fluxo de vendas constante de 850 unidades por mês. Só para comparar, é difícil para uma distribuidora vender 1.000 Blu-rays num mês, o que nos leva a crer que no caso do player esta condição é muito mais difícil de ocorrer. Portanto, não existe qualquer perspectiva de que a demanda chegue ao patamar de uma escala de 8.500 unidades por mês.

O custo da BOM aqui estimado foi de US$50,00 o que é bem razoável para este tipo de equipamento. É possível que numa escala de milhões de unidades por ano este custo chegue a quase a metade deste valor. 

Por outro lado, existem componentes muito específicos como controladores, processadores de sinal, pick-up ou cabeças de leitura laser que atualmente tem pouca demanda no mercado mundial e, portanto, estão com volumes de produção muito abaixo daqueles praticados no auge da demanda por players para mídia física e isso faz o preço destes componentes naturalmente subirem. 

Sendo assim, para esta comparação consideramos que o custo da BOM da escala de 10.000 unidades por ano fosse o triplo da escala de 100.000 peças por ano. Isto é apenas uma estimativa para efeito de comparação e não tem qualquer base real na avaliação do custo da BOM de um player de Blu-ray. Esta diferença pode ser muito maior e é um dos principais fatores para que um fabricante decida pela interrupção da produção de um equipamento.

RELEMBRE NO BJC | O curioso caso do sumiço de players de Blu-ray do mercado nacional

Além do aumento do custo da BOM também teremos um aumento de custo da montagem já que haverá uma escala menor e, portanto, o valor unitário por peça tende a aumentar. Neste exemplo fizemos um aumento de 50% devido a redução da escala.

O resultado é bem evidente já que o produto com escala maior atinge um preço final de R$499 o que é razoável para um player de Blu-ray padrão. Por outro lado, com a escala menor o preço sobe para R$1.232 o que inviabiliza sua venda no mercado limitado como é o da mídia física. 

Este deve ter sido o motivo para o fim da produção dos players em todo o mercado. Com a redução da demanda a escala de produção diminuiu a um ponto que o produto já não consegue mais ser fabricado por um preço aceitável para o próprio mercado. É um círculo vicioso e que tem pouca chance de ser quebrado enquanto não houver aumento de demanda.

Comparação dos custos de fabricação para duas escalas distintas

Ainda temos players de DVD em fabricação no Brasil através de várias empresas como a Mondial e a Britania/Philco, além de existirem equipamentos tanto em Blu-ray quanto em DVD disponíveis em lojas e revendas que possuem estoque de players adquiridos de fabricantes nacionais como a Multilaser e a LG que deixaram de fabricar estes equipamentos no Brasil. 

É possível também encontrar equipamentos importados por lojistas e vendidos nos Marketplace do Submarino, Extra e até na Amazon. Modelos da Sony como o BDP-S1500 e o BDP-S6700 são comuns nos Marketplaces nacionais embora com preços acima da média.

A tabela abaixo apresenta as opções em DVD, Blu-ray e Home Theater que ainda são encontrados em lojas e sites no Brasil.

Modelos de Players de DVD, Blu-ray e Home Theater vendidos no Brasil

Embora ainda tenhamos players sendo vendidos no mercado nacional, o fato de não termos novas produções nos fabricantes indica que este estoque existente nos lojistas poderá acabar a qualquer momento e aí ficaremos dependentes dos importadores ou precisaremos explorar outras opções como os consoles de videogame.

Os consoles como players de DVD e Blu-ray

O PlayStation 2 foi lançado no ano 2000 e foi o console mais vendido no mercado mundial com um total de 155 milhões de videogames comercializados até a sua saída do mercado. Seu lançamento coincidiu com o início da adoção do DVD como a mídia física mais popular de todos os tempos e foi o primeiro console a trazer o conceito de hub de mídia para o mercado. Ele permitia tocar CDs e DVDs além de ter programas para exibir arquivos de filmes em MP4 e outros formatos.

Este conceito foi amplamente utilizado pela Microsoft quando lançou seus Xbox chegando a chamar sua terceira geração de Xbox One pois era um único equipamento para o entretenimento dos consumidores. 

O primeiro Xbox foi lançado em 2001, e embora tivesse um leitor de DVD exigia um hardware separado chamado “DVD Movie Playback Kit” para poder ler um disco de DVD de filmes. O kit consistia num controle remoto e uma unidade que era conectada numa das portas do Xbox e que também era o receptor infravermelho do controle. 

O controle remoto para mídias do PlayStation 5
Clique aqui para comprar na Amazon

Isto ocorria porque a Microsoft não queria pagar o licenciamento ao DVD Fórum e à Dolby para todos os Xbox, o que aumentaria o preço do console. Desta forma quem quisesse usar o console para ver um filme em DVD tinha que comprar o tal kit que além do controle remoto incluía a licença exigida para exibição de filmes no Xbox.

Na sua segunda geração a Microsoft incluiu um DVD player com todos os licenciamentos e, portanto, o uso do Xbox 360 não tinha qualquer limitação em relação a exibição de filmes em DVD. 

Mas a Microsoft estava envolvida numa guerra de formatos e enquanto promovia o HD-DVD como sua solução de alta definição, a Sony defendia o Blu-ray que depois veio a se tornar o padrão da indústria para o conteúdo em full HD. Esta guerra de formatos fez com que a Microsoft decidisse pelo lançamento do Xbox 360 apenas com suporte a DVD, enquanto o PlayStation 3, lançado um ano depois, já veio com um suporte a Blu-ray e a alta definição.

A Microsoft chegou a vender um drive externo como acessório o Xbox 360 HD DVD Player que nada mais era que um driver USB com suporte ao formato HD-DVD para reprodução de filmes em alta definição. O drive foi lançado em novembro de 2006 e em fevereiro de 2008 foi descontinuado já que a guerra de formatos havia sido vencida pela Sony e seu Blu-ray e os estúdios decidiram abandonar o HD-DVD. O preço original foi de US$199, mas logo depois de ser descontinuado chegou a ser vendido por menos de US$49 em várias lojas. 

 

O drive de HD-DVD do Xbox 360

A nova geração de consoles lançada em 2013 tanto pela Sony com o PlayStation 4 como pela Microsoft com o Xbox One trouxe suporte integral ao Blu-ray. E embora mais uma vez a Sony vendesse mais que o dobro de consoles que sua concorrente, foi a Microsoft que trouxe um avanço significativo com o lançamento do Xbox One S em 2016 e que foi o primeiro console a ter suporte ao 4K UHD.  A Sony até lançou uma nova versão de seu console, o PlayStation 4 Pro, mas o suporte ao conteúdo em 4K ficou limitado aos jogos ou a conteúdos exibidos pelos aplicativos de streaming.

A partir do Xbox One S toda a família Xbox incluindo o Xbox One X e o Xbox Series X passou a ter suporte ao Blu-ray 4K UHD. Isso só ocorreu na última geração lançada pela Sony com o PlayStation 5 que na versão com disco trouxe um drive com suporte para o 4K UHD.

A tabela abaixo apresenta um resumo dos consoles que suportam o DVD, o Blu-ray e o 4K UHD bem como o preço atual disponível no mercado brasileiro e as vendas destes consoles mundialmente.

Modelos de Consoles Disponíveis no Brasil e com suporte a mídia física

Os valores de vendas mundiais da tabela são estimados para quase todos os consoles pois os fabricantes deixaram de publicar os números de vendas desde 2014 e as quantidades foram obtidas através de levantamentos de consultorias especializadas e até de um recente documento que a Microsoft enviou ao CADE no Brasil por conta da avaliação da compra da empresa Activision Blizzard em que afirma que … a Sony superou a Microsoft em termos de vendas de consoles e base instalada, tendo vendido mais do que o dobro do Xbox na última geração (Xbox One/PlayStation 4).”

No Brasil também não existe um levantamento oficial do número de consoles vendidos em nosso mercado. Em 2012 a ACIGAMES – Associação Comercial e Industrial das Empresas de Jogos do Brasil publicou uma estimativa de que haviam sido vendidos no mercado nacional 8,3 milhões de consoles PlayStation 3 e 9,2 milhões de Xbox 360, o que daria ao Brasil algo em torno de 10% de participação neste segmento de consoles. 

Esta participação com certeza não se manteve ao longo da década passada já que o Brasil teve uma forte crise econômica gerando um alto índice de desemprego. Sendo assim estimamos conservadoramente uma participação atual neste mercado na faixa de 5%. Ainda assim estamos falando de um total de mais de 14 milhões de consoles que suportam Blu-ray no mercado brasileiro.

A grande maioria de consumidores que possuem estes consoles sequer sabem que o mesmo pode tocar um Blu-ray ou um DVD. E talvez nem tenham mais mídia física porque imaginam que não tendo um player dedicado não podem reproduzir os discos.

Estimativas de Consoles Disponíveis no Brasil e com suporte a Blu-ray

Quando comparamos o console com um player dedicado vemos que este último é normalmente mais interessante para quem usa constantemente a mídia física. A rapidez na utilização, os recursos normalmente mais sofisticados, o suporte a mídias de diversos formatos e a qualidade geral da imagem são os predicados mais evidentes de um player dedicado. 

Por outro lado, o console tem uma conveniência relevante já que além de suportar jogos, que normalmente são seu uso principal, também suportam a reprodução de Blu-ray e DVD tendo uma dupla função no mesmo equipamento.

Além disso, considerando a falta de produção de players dedicados no mercado nacional, os consoles são a única opção para ter um reprodutor de mídia física com suporte ao 4K UHD. E é possível que o consumidor até já tenha um console que pode nunca ter sido usado para assistir filmes de Blu-ray ou DVD.

Por sua vez, o fato de que a reprodução de mídia física em um console não é sua função principal traz problemas relacionados a compatibilidade, erros na exibição ou qualidade inferior àquela observada nos players dedicados. 

Isso é muito evidente nos problemas encontrados no Xbox Series X que sofre na estabilidade da reprodução muitas vezes apresentando erros na imagem ou no áudio quando se para e volta a reproduzir um título. Além disso, não tem a mesma qualidade na exibição das cores, no nível de detalhes e principalmente no upscalling de um Blu-ray para um monitor 4K. 

Outro ponto é que tanto o PlayStation 5 quanto o Xbox Series X não suportam os formatos mais sofisticados de HDR como o Dolby Vision e o HDR10+ que estão cada vez mais presentes nos discos 4K e nas TVs fabricadas desde 2019 e normalmente são suportados até pelos players dedicados mais baratos.

Comparação entre consoles e players dedicados

Estas limitações dos consoles podem ser um incômodo para um colecionador mais crítico e que exija a maior qualidade possível com um uso intenso da mídia física, mas certamente não é algo que o consumidor eventual perceba ou venha a inviabilizar a utilização de um console na reprodução de Blu-ray ou DVD.

É importante dizer que no caso do Xbox é necessário instalar um aplicativo chamado Blu-ray Player para que possa reproduzir um Blu-ray ou DVD. Em caso de dúvida de como fazer a instalação do aplicativo no Xbox recomendamos o acesso ao link de suporte da própria Microsoft.

No caso do PlayStation nenhum dos modelos exige a instalação de um aplicativo adicional para a reprodução dos discos pois isso já é parte do próprio sistema operacional do console.

Os players importados

Como vimos anteriormente, um bom player dedicado é sempre a melhor opção para quem deseja a maior qualidade e o melhor desempenho na reprodução de mídia física. Sendo assim, existe a opção de adquirir um player importado, principalmente para o caso de players 4K UHD que nunca foram lançados no mercado brasileiro.

A grande dificuldade é que esta importação terá que ser feita por canais alternativos, como vendedores de Marketplace, e o suporte e a assistência técnica serão sempre limitados pois a maioria dos equipamentos não possuem suporte do fabricante no Brasil.

Outra limitação é quanto a leitura de discos produzidos no Brasil. A maior parte dos players importados só podem ler DVDs de Região 1 se forem importados dos EUA ou 2 se importados da Europa. No caso dos Blu-rays não temos problema com players americanos pois também estão na Região A, mas no caso dos Europeus só conseguem reproduzir discos da Região B e sendo assim não suportando os discos fabricados no Brasil que não sejam Região A,B,C. 

Existe a opção de comprar players que suportam todas as regiões, mas normalmente são muito mais caros que os travados para regiões específicas, chegando a custar quase três vezes mais que o player padrão.

Panasonic DP-UB9000 Ultra HD Blu-ray player

A tabela abaixo lista os principais players vendidos no mercado americano e europeu. Existem muitos outros fabricantes como Toshiba, Pioneer, Reavon, GIEC, etc., no entanto normalmente são mais caros ou de difícil aquisição fora de seus mercados de origem e mesmo por lá na maior parte das vezes estão na condição de sob encomenda. Os players na tabela que não possuem preço no Brasil são aqueles que não existem frequentemente em nosso mercado, seja porque o preço é muito alto ou porque não estão disponíveis facilmente.

A avaliação é resultado de uma comparação entre as características técnicas de cada player bem como qualidade geral do equipamento em termos mecânicos e eletrônicos. Os aparelhos com as melhores avaliações são os da Panasonic e da Sony ficando bem próximos em termos de funcionalidade e se diferenciando principalmente no caso do HDR onde a Sony fica em desvantagem pois não suporta o formato HDR10+.

Tabela de players importados

Para comparação foram incluídos os consoles da nova geração que suportam 4K UHD e como se pode ver eles ficam abaixo de todos os players dedicados por sua limitação no suporte ao HDR pois estão restritos às opções mais básicas como o HDR10.

De maneira geral podemos dizer que temos muitas opções para continuar reproduzindo nossas coleções de DVD, Blu-ray e até de 4K UHD. O suporte ao Blu-ray presente nos consoles é uma boa opção para uma quantidade significativa de consumidores que já possuem estes equipamentos. Além disso, esses consoles são os players disponíveis para quem deseja adquirir um equipamento 4K UHD no mercado brasileiro, com suporte e assistência técnica.

A opção dos importados está presente através de diversos modelos, embora os preços não sejam muito atraentes e o suporte e a assistência técnica praticamente não exista.

Esperemos que em algum momento a indústria volte a produzir players de Blu-ray no Brasil e com isso tenhamos uma maior oferta de equipamentos em nosso mercado. Não é algo fácil de ocorrer, mas não esqueçamos que até as vitrolas de vinil voltaram a ser produzidas localmente.

ABAIXO, VÍDEO COM A LIVE SOBRE O ASSUNTO DESTE POST:

PlayStation 5 na Amazon Brasil:

CLIQUE AQUI